Cuiabá, Sexta-Feira, dia 17 de Novembro de 2017
Busca: 
Quem Somos Jurisprudência Promotoras Legais Peças Processuais Livros Projetos e Campanhas Homenagens Agenda Copevid

Artigos

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Presente antecipado
28/02/12 
Por: Sueli Lima e Silva

 

O Supremo Tribunal Federal (STF), em 09 de feveiro, antecipou um presente a todas nós brasileiras pelo Dia Internacional da Mulher ao interpretar a norma contida na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) conforme a Constituição Brasileira. Digo que foi um grande e maravilhoso presente, considerando todas peculiaridades que decorrem de tal decisão.
 

No meio jurídico, principalmente, observa-se a extensão da decisão, que inviabiliza inúmeros e protelatórios recursos que tramitavam pelos tribunais em razão das divergências doutrinárias e jurisprudenciais solucionadas com tal decisão. A possibilidade de poder “meter a colher” na briga de marido e mulher, colocando por terra o anacrônico dito popular, quando se verificar violação dos direitos humanos das mulheres, é um excelente e importantíssimo presságio. Essa decisão dá a nítida compreensão de que estamos vencendo o sexismo, ressalvando que a atual composição do STF é na maioria de homens.
 

Qualquer pessoa pode - e as autoridades devem sim - meter a colher onde a nefasta violência se manifestar, não mais se exigindo da vítima, totalmente fragilizada pela própria violência, ter que assumir que quer ver o seu agressor punido. O Estado passou a compreender que onde há violência, o privado se torna público e o Ministério Público, dono da Ação Penal Pública Incondicionada, passa a ter a legitimidade de denunciar delitos de lesão corporal leve qualificado pela violência doméstica e familiar.
 

Para nós, mulheres, o Dia Internacional da Mulher será celebrado com um plus: o do dever cumprido na luta contra toda a forma de violência, com a visão constitucional da Corte máxima da Nação. Mas é sempre muito bom lembrar que essa deferência - de se ter um dia em separado e especial no calendário – deu-se após incontáveis lutas, travadas por mulheres que souberam fazer diferença na sociedade em seu tempo. Hoje, o grande risco que corremos é a utilização indevida desta data, de forma diversa do sentido original, adquirindo cárater festivo e comercial.
 

Portanto, comemoremos, relembrando nossas lutas e conquistas. Mas não nos esqueçamos que há muito por ser feito. A miséria humana, em seus amplos aspectos, deve ser extirpada de nossa sociedade. A miséria da violência, da corrupção, do analfabetismo e da falta de uma educação capaz de transformar o caos em oportunidade tem que acabar.
Conclamamos todas e todos a fazerem a diferença no Dia Internacional da Mulher, 08 de Março. Como forma de simbolizar e evidenciar nossa luta, vamos vestir o branco da paz.

Sueli Lima e Silva
Promotora de Justiça da Mulher de Vitória-ES
 

Nome:
E-mail:
Título:
Comentário:
Comentários Envie o seu
 
Não foi feito nenhum comentário para esta matéria até o presente momento
Mais Artigos
10/04/12
Chega de torturar mulheres
07/03/12
As mulheres e o 08 de Março: Há motivos para comemorar?
07/03/12
Treze mulheres exemplares
05/03/12
Os homens que não amam as mulheres
02/03/12
Lei Maria da Penha: da abstração para efetivação
25/02/12
Maria da Penha: uma lei constitucional e incondicional
18/02/12
EM BRIGA DE MARIDO E MULHER, O MINISTÉRIO PÚBLICO PODE, E DEVE, METER A COLHER
PALESTRA EM ENCONTRO NACIONAL DA DEFENSORIA PÚBLICA
Poderes se unem contra a violência doméstica - Lançamento do Projeto "Homens que Agradam NÃO Agridem"
D2 Comunicação Ltda
Rua 14, nº 125-A, Bairro Boa Esperança, Cep nº 78.068-775, Cuiabá/MT CNPJ 08.604.523/0001-59. Fone: (65) 9998-9173